Entrevista com secretário de Educação de Santo André: Gilmar Silvério

 

A luta por uma educação pública, democrática, gratuita, laica e de qualidade é a busca diária da equipe da Secretaria de Educação Municipal em conjunto com toda a rede escolar e com todos os atores da sociedade que acreditam que a educação é transformadora, emancipadora e sobretudo, constitui a formação de uma sociedade mais justa, humana e igualitária” 

 

 

 

 

 

 

01 - Conte um pouco de sua trajetória como professor

 

Iniciei no magistério em 1986, na rede pública estadual, lecionando história, geografia, filosofia, à época dividia meu tempo entre a sala de aula e a militância política, ano que elegeríamos deputados Federais para elaborar a nova constituição brasileira. Tinha consciência da importância histórica deste momento para que a luta da educação brasileira conquistasse avanços.

 

02- O que o levou a lecionar?

Associo minha trajetória de professor com o desejo na infância de seguir uma carreira religiosa, depois mais maduro, consciente que as desigualdades sociais eram produtos de um sistema injusto, opressor e que, portanto, precisava de nossa intervenção para alterar o  curso desta história.  A sala de aula era e  é, ao meu ver, um espaço privilegiado para iniciarmos uma educação transformadoras, onde  os nossos alunos fossem  sujeitos da história.

 

03 - Qual a avaliação que o Sr faz da educação pública no País?

 

A escola pública evoluiu muito nos últimos anos. Hoje no Brasil a educação é universal dos 4 aos 17 anos.  Há menos de 40 anos atrás, para uma criança ter acesso ao quinto ano de escolaridade passava por um teste de admissão, era uma educação excludente, elitizada, estamental, sem falarmos que destes privilegiados que ingressavam no quinto ano, apenas 40% obtinham sucesso no ano letivo. Diante disso podemos observar que a nossa luta pelo acesso e permanência para todos à educação, valeu a pena. Nossa batalha deve ser permanente, devemos continuar lutando pela valorização dos profissionais da área e pela qualidade da Educação.

 

04 - Qual sua avaliação do sistema privado de educação?

 

A Constituição Federal, promulgada em 1988, estabelece como princípio da educação escolar o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas e a coexistência de instituições públicas e privadas de ensino. O ensino privado no Brasil atende muito a orientação do mercado e pouco os fins públicos, precisamos inverter essa lógica.

 

05 - Como atuar como professor trabalhando as questões sociais do País?

Se acreditamos que a educação é transformadora e libertária, não tem como o professor se eximir do debate na sala de aulas das questões sociais. A desigualdade no nosso País, a origem do latifúndio,  a concentração de terras e de riquezas   nas mãos de poucos,  encontra-se explicações no processo de colonização  do Brasil. Se queremos  alunos críticos, cidadãos que defendam seus direitos, se queremos uma pátria socialmente justa, o engajamento social e político do professor é inexorável.

 

06 - O ensino privado no País está sofrendo um processo de cartelização, qual sua avaliação? Quais os prejuízos para os alunos e principalmente para os professores?

A cartelização da educação é nefasta para o país, compromete o pluralismo das ideias e de concepções pedagógicas, temo que a educação privada seja regida apenas pelo interesse econômico sem nenhum compromisso com a qualidade. Precisamos ficar atentos e incluir em nossa pauta de lutas a melhoria das condições de trabalho e da qualidade  do ensino também para a rede privada de ensino.

 

 

07 - Professor é um sacerdócio?

Sacerdote etimologicamente significa mediador entre Deus e os homens, se entendermos  que  o conhecimento e a inteligência são  divinos, podemos afirmar que o professor é esse grande mediador entre os alunos e o conhecimento.

 

08 - O que comemorar no dia do professor?

Temos muito a comemorar no dia 15 de outubro, os avanços nos últimos anos da área da educação foram grandes, conquistamos um piso nacional para os professores, aprovamos um novo Plano Nacional de Educação que contempla boa parte de nossas demandas.

 

09 - Quais os rumos da educação no País?

Os rumos da educação brasileira estão traçados no PNE, temos 20 metas audaciosas para cumprirmos até 2024, que aponta substancialmente para a melhoria da qualidade da educação brasileira e da valorização do magistério. Aponta fonte de novos  investimentos pra a área, como o CAQi, (Custo aluno Qualidade inicial)e a destinação de recursos oriundos do Pre sal, além dos recursos já estabelecidos pela Constituição de 1988.

 

10 - Como secretário de educação em Santo André, o que o senhor tem feito para contribuir com o ensino na cidade?

Temos investidos fortemente na educação do munícipio, não só com recursos financeiros,  mas constituindo uma rede de ensino com profissionais concursados, rompendo  com a prática de contratação temporárias de  trabalhadores na educação. Isso qualifica a rede, estabiliza e permite  uma politica de formação permanente para nossos profissionais, exemplo disso e a parceria que estabelecemos entre a Secretaria de Educação e a Universidade Federal  do ABC que contempla a formação para 400 professores da rede, um marco na história da educação em nosso município. Ampliamos a participação das famílias na escola e descentralizamos mais recursos para as unidades escolares, radicalizamos a  gestão democrática. Todas a escolas contam com conselhos mirins, espaço garantido aos nossos alunos para ajudarem na definição das politicas para cada escola, construímos educação emancipadora de fato.

 

11 - Considerações finais.

 

A luta por uma educação pública, democrática, gratuita, laica e de qualidade é  a busca diária da equipe da Secretaria de Educação Municipal em conjunto com toda a rede escolar e com todos os atores da sociedade que acreditam que a educação é transformadora, emancipadora e sobretudo, constitui a formação de uma sociedade mais justa, humana e igualitária. 

Como educador, meu propósito sempre foi e será balizado por este ideal e como Secretário, com o Apoio do Governo Municipal, especificamente por meio do nosso representante, o Prefeito Carlos Grana, faremos tudo o que for possível, dentro dos limites da municipalidade, para que alcancemos este propósito.

 

Por fim, quero ressaltar que nada do que foi feito, nem aquilo que ainda pretendemos fazer, seria possível sem a dedicação incondicional dos nossos professores e profissionais da educação, que merecem todo nosso respeito e gratidão, que neste momento quero deixar registrado os meus mais sinceros agradecimentos.