Ensino Básico, Sesi e Senai: Professor,
fique de olho no reajuste!
A Campanha Salarial da Educação Básica e da rede Sesi Senai já foi encerrada. Na primeira área, o reajuste é de 5,5%, enquanto no Sesi, o percentual é de 6,5%.
Por isso, professor, fique atento para comprovar se o pagamento foi realizado de forma correta.
Destacamos que a data-base da categoria é 1º de março e o reajuste deve ser baseado nos salários de março de 2009. Em caso de dúvidas, ligue 4994-0700.
A Campanha Salarial da Educação Básica e da rede Sesi Senai já foi encerrada. Na primeira área, o reajuste é de 5,5%, enquanto no Sesi, o percentual é de 6,5%.

Por isso, professor, fique atento para comprovar se o pagamento foi realizado de forma correta.

Destacamos que a data-base da categoria é 1º de março e o reajuste deve ser baseado nos salários de março de 2009. Em caso de dúvidas, ligue 4994-0700.

Assembleias promovidas pelo SINPRO ABC reúnem mais de 180 professores. Presentes recusam aumento somente pelo INPC e reforçam necessidade de mobilização
No dia 3 de março, representantes dos professores e da patronal estiveram reunidos, mas, infelizmente, não houve avanço, já que a Fiesp não apresentou contraproposta de reajuste salarial.
Em fevereiro, os docentes da rede Sesi/Senai já sinalizaram que não estão para brincadeira. Reunidos em assembleia, os presentes disseram ‘não’ a um possível reajuste de somente 6,3%.
A reivindicação dos sindicatos é de 12% (reposição da inflação mais aumento real), que equivale a uma recuperação de, aproximadamente, 5% nos salários defasados dos professores. Outro ponto reivindicado pelos docentes é a manutenção das cláusulas sociais.
Acompanhe em nosso site www.sinpro-abc.org.br todas as novidades da Campanha Salarial 2009.
Carta aberta
A Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo - e sindicatos integrantes vêm a público protestar contra os baixos salários dos professores do Sesi/Senai e reivindicar a adoção imediata de uma política que garanta aumento real à categoria.
Nas diversas propagandas institucionais veiculadas na grande imprensa, a Fiesp insiste em mostrar a educação como grande prioridade. Para tanto, enfatiza o alto nível alcançado pelo Sesi e Senai.
Mas há algo que essas propagandas não contam: o padrão de qualidade do Sesi/Senai foi alcançado às custas do trabalho dos professores. Para a categoria, o preço das reestruturações pedagógicas e de gestão foi muito alto. A sobrecarga de trabalho e a baixa remuneração são os sintomas mais evidentes.
Isso não pode continuar! Não é compreensível exigir níveis de qualidade e de produtividade sem uma remuneração justa e sem a melhoria das condições de trabalho.
Nossa reivindicação é legítima e se fundamenta nos princípios que o presidente da Fiesp diz defender. Afinal, quem prioriza a educação valoriza o trabalho do professor com uma remuneração justa.
Assembleias promovidas pelo SINPRO ABC reúnem mais de 180 professores. Presentes recusam aumento somente pelo INPC e reforçam necessidade de mobilização

No dia 3 de março, representantes dos professores e da patronal estiveram reunidos, mas, infelizmente, não houve avanço, já que a Fiesp não apresentou contraproposta de reajuste salarial.

Em fevereiro, os docentes da rede Sesi/Senai já sinalizaram que não estão para brincadeira. Reunidos em assembleia, os presentes disseram ‘não’ a um possível reajuste de somente 6,3%.

A reivindicação dos sindicatos é de 12% (reposição da inflação mais aumento real), que equivale a uma recuperação de, aproximadamente, 5% nos salários defasados dos professores. Outro ponto reivindicado pelos docentes é a manutenção das cláusulas sociais.

Carta aberta
A Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo - e sindicatos integrantes vêm a público protestar contra os baixos salários dos professores do Sesi/Senai e reivindicar a adoção imediata de uma política que garanta aumento real à categoria.

Nas diversas propagandas institucionais veiculadas na grande imprensa, a Fiesp insiste em mostrar a educação como grande prioridade. Para tanto, enfatiza o alto nível alcançado pelo Sesi e Senai.

Mas há algo que essas propagandas não contam: o padrão de qualidade do Sesi/Senai foi alcançado às custas do trabalho dos professores. Para a categoria, o preço das reestruturações pedagógicas e de gestão foi muito alto. A sobrecarga de trabalho e a baixa remuneração são os sintomas mais evidentes.
Isso não pode continuar! Não é compreensível exigir níveis de qualidade e de produtividade sem uma remuneração justa e sem a melhoria das condições de trabalho.

Nossa reivindicação é legítima e se fundamenta nos princípios que o presidente da Fiesp diz defender. Afinal, quem prioriza a educação valoriza o trabalho do professor com uma remuneração justa.

 

Assembleias realizadas no dia 24 aprovaram propostas
A campanha salarial 2010 termina de forma positiva para os professores da Educação Básica e da rede Sesi Senai.
Sesi Senai
Em assembleia realizada no dia 24 de abril, no SINPRO ABC, os docentes do Sesi Senai autorizaram a assinatura do acordo coletivo. Um mês antes, o reajuste de 6,5% foi aprovado pela categoria.
Alterações
De acordo com a convenção coletiva do Senai,  o professor técnico de ensino, com carga de 20 horas semanais no período noturno, passará a ter o horário de trabalho das 18h às 22h.
No Senai superior, a proposta indica que todo docente do ensino superior receba 20% da carga semanal de aulas, a título de preparação, a serem cumpridas na escola, além dos 15% de hora atividade. Ainda, um único professor por curso receberá duas aulas semanais para orientar TCC e iniciação científica.
Educação Básica
Educadores do nível básico (Educação Infantil ao Médio) aceitaram a proposta patronal de 5,5% (retroativo a março) e 21% de PLR, em outubro deste ano. Para 2011, o reajuste será baseado pela média dos índices mais 1,2%, em março, além dos 21% de PLR, em outubro. Assim, a Convenção Coletiva tem validade de dois anos.
Foi estabelecida a criação da comissão de tecnologia, com objetivo de discutir o tema “trabalho tecnológico”. O grupo será formado por um representante da Federação dos Professores, Fepesp, e um indicado pelo Sieeesp, o sindicato patronal.
Assembleias realizadas no dia 24 aprovaram propostas

A campanha salarial 2010 termina de forma positiva para os professores da Educação Básica e da rede Sesi Senai.

Sesi Senai
Em assembleia realizada no dia 24 de abril, no SINPRO ABC, os docentes do Sesi Senai autorizaram a assinatura do acordo coletivo. Um mês antes, o reajuste de 6,5% foi aprovado pela categoria.

Alterações
De acordo com a convenção coletiva do Senai,  o professor técnico de ensino, com carga de 20 horas semanais no período noturno, passará a ter o horário de trabalho das 18h às 22h.

No Senai superior, a proposta indica que todo docente do ensino superior receba 20% da carga semanal de aulas, a título de preparação, a serem cumpridas na escola, além dos 15% de hora atividade. Ainda, um único professor por curso receberá duas aulas semanais para orientar TCC e iniciação científica.

Educação Básica
Educadores do nível básico (Educação Infantil ao Médio) aceitaram a proposta patronal de 5,5% (retroativo a março) e 21% de PLR, em outubro deste ano. Para 2011, o reajuste será baseado pela média dos índices mais 1,2%, em março, além dos 21% de PLR, em outubro. Assim, a Convenção Coletiva tem validade de dois anos.

Foi estabelecida a criação da comissão de tecnologia, com objetivo de discutir o tema “trabalho tecnológico”. O grupo será formado por um representante da Federação dos Professores, Fepesp, e um indicado pelo Sieeesp, o sindicato patronal.

 

Professores recebem aumento no salário de março
Reunidos em assembleia, realizada no dia 21 de março, os professores aprovaram a proposta patronal, que prevê 8,5% de reajuste salarial.
Ao verificar a média da inflação do período, que foi de 6,13%, os docentes obtiveram aumento real de 2,23%.
A Fepesp avalia de forma positiva o fechamento da Campanha 2009. Para Celso Napolitano, presidente da Federação, “pouco a pouco, vamos mudando a situação salarial da carreira docente no sistema S. Os professores vêm registrando conquistas importantes nesse sentido”.
Além do reajuste, a proposta aprovada prevê que os professores possam trabalhar por período superior a 30 horas semanais, o que garante a possibilidade de mais aulas, com a “dobra” do período.
Professores recebem aumento no salário de março

Reunidos em assembleia, realizada no dia 21 de março, os professores aprovaram a proposta patronal, que prevê 8,5% de reajuste salarial.

Ao verificar a média da inflação do período, que foi de 6,13%, os docentes obtiveram aumento real de 2,23%.

A Fepesp avalia de forma positiva o fechamento da Campanha 2009. Para Celso Napolitano, presidente da Federação, “pouco a pouco, vamos mudando a situação salarial da carreira docente no sistema S. Os professores vêm registrando conquistas importantes nesse sentido”.

Além do reajuste, a proposta aprovada prevê que os professores possam trabalhar por período superior a 30 horas semanais, o que garante a possibilidade de mais aulas, com a “dobra” do período.

Mais Lidas