SINPRO solicitou mesa redonda com a instituição para cobrar explicações sobre atrasos nos pagamentos dos docentes
O SINPRO ABC recebeu denúncias de atrasos nos pagamentos dos professores da Fundação Santo André, nos meses de janeiro e fevereiro. Imediatamente o Sindicato solicitou mesa redonda, que foi realizada no dia 18 de março.
Na reunião, a instituição alegou estar em dificuldades econômicas, por conta dos problemas enfrentados na gestão anterior, mas afirmou que, mesmo com atraso, os salários foram pagos (parte do pagamento foi realizada no prazo legal e o restante foi quitado em cinco dias subsequentes).
O Sindicato reivindica a multa por atraso, prevista na Convenção Coletiva, e haverá nova reunião para apresentação dos cálculos por parte da Fundação.
As novidades referentes a esse tema serão publicadas em nossos informativos.
Denuncie
Professor, no caso de desrespeito aos seus direitos, denuncie ao SINPRO ABC. Ligue 4994-0700, escreva para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou mande mensagem pelo twitter.com/sinproabc.
SINPRO solicitou mesa redonda com a instituição para cobrar explicações sobre atrasos nos pagamentos dos docentes

O SINPRO ABC recebeu denúncias de atrasos nos pagamentos dos professores da Fundação Santo André, nos meses de janeiro e fevereiro. Imediatamente o Sindicato solicitou mesa redonda, que foi realizada no dia 18 de março.

Na reunião, a instituição alegou estar em dificuldades econômicas, por conta dos problemas enfrentados na gestão anterior, mas afirmou que, mesmo com atraso, os salários foram pagos (parte do pagamento foi realizada no prazo legal e o restante foi quitado em cinco dias subsequentes).

O Sindicato reivindica a multa por atraso, prevista na Convenção Coletiva, e haverá nova reunião para apresentação dos cálculos por parte da Fundação.

As novidades referentes a esse tema serão publicadas em nossos informativos.

Denuncie
Professor, no caso de desrespeito aos seus direitos, denuncie ao SINPRO ABC. Ligue 4994-0700, escreva para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou mande mensagem pelo twitter.com/sinproabc.

SINPRO ABC se reúne com representantes da Anhanguera
O presidente do Sindicato dos Professores do ABC, professor Aloísio Alves da Silva, reuniu-se com representantes da Anhanguera para tratar de assuntos que envolvem os profissionais da instituição. A reunião foi realizada no dia 19 de maio.
Reajuste
O SINPRO ABC questionou a Anhanguera no que diz respeito ao pagamento do reajuste salarial. A instituição comunicou que o aumento de 7,4% foi concedido no mês de abril, retroativo a março. “Professor, fique atento ao seu holerite e verifique se o crédito está correto”, orienta o presidente do SINPRO, “em caso do não cumprimento, entre em contato e denuncie ao Sindicato”.
Calendário
Outro item debatido e cobrado pelo SINPRO ABC está relacionado ao calendário escolar. A Anhanguera informou que as reposições de aulas aos sábados ocorrem por uma questão legal do cumprimento dos dias letivos e que os professores receberão como horas extras, não havendo desconto para aqueles que não tenham condições de comparecer.
Professor, verifique sempre seu holerite e confirme se as horas extras são pagas corretamente, quando devidas.
CCT
O SINPRO ABC denunciou o não cumprimento das cláusulas 21 e 22 da Convenção Coletiva (redução da carga horária), principalmente no que se refere a não concordância do professor. A Anhanguera informou que verificará os casos e tomará as providências legais.
Aqueles que se enquadrarem nesse caso, favor procurar o Sindicato.
Plano de Saúde
O Sindicato solicitou esclarecimentos sobre a mudança de Plano de Saúde. A instituição afirmou que concede o plano básico aos professores e que, caso haja interesse em planos superiores, o docente deve arcar com a diferença.
Procure o Sindicato
Para entrar em contato com o SINPRO ABC e denunciar as irregularidades, basta ligar 4994-0700, escrever para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou acessar www.sinpro-abc.org.br.
SINPRO ABC se reúne com representantes da Anhanguera

O presidente do Sindicato dos Professores do ABC, professor Aloísio Alves da Silva, reuniu-se com representantes da Anhanguera para tratar de assuntos que envolvem os profissionais da instituição. A reunião foi realizada no dia 19 de maio.

Reajuste
O SINPRO ABC questionou a Anhanguera no que diz respeito ao pagamento do reajuste salarial. A instituição comunicou que o aumento de 7,4% foi concedido no mês de abril, retroativo a março.

“Professor, fique atento ao seu holerite e verifique se o crédito está correto”, orienta o presidente do SINPRO, “em caso do não cumprimento, entre em contato e denuncie ao Sindicato”.

Calendário
Outro item debatido e cobrado pelo SINPRO ABC está relacionado ao calendário escolar. A Anhanguera informou que as reposições de aulas aos sábados ocorrem por uma questão legal do cumprimento dos dias letivos e que os professores receberão como horas extras, não havendo desconto para aqueles que não tenham condições de comparecer.

Professor, verifique sempre seu holerite e confirme se as horas extras são pagas corretamente, quando devidas.

CCT
O SINPRO ABC denunciou o não cumprimento das cláusulas 21 e 22 da Convenção Coletiva (redução da carga horária), principalmente no que se refere a não concordância do professor. A Anhanguera informou que verificará os casos e tomará as providências legais.

Aqueles que se enquadrarem nesse caso, favor procurar o Sindicato.

Plano de Saúde
O Sindicato solicitou esclarecimentos sobre a mudança de Plano de Saúde. A instituição afirmou que concede o plano básico aos professores e que, caso haja interesse em planos superiores, o docente deve arcar com a diferença.

Procure o Sindicato
Para entrar em contato com o SINPRO ABC e denunciar as irregularidades, basta ligar 4994-0700 ou escrever para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

MEC determina que Uniban e UniABC diminuam o número de vagas em cursos na área de Saúde
Duas universidades do ABC, Uniban e UniABC, tiveram o desempenho classificado pelo Ministério da Educação como abaixo do satisfatório. Por conta disso, a Universidade do Grande ABC, de Santo André, deverá reduzir o número de vagas nos cursos de enfermagem, farmácia, fisioterapia e nutrição, enquanto a Uniban, em São Bernardo, deve realizar o corte no curso de enfermagem.
A decisão foi publicada no Diário Oficial do dia 4 de setembro.
ProUni
De acordo com a matéria publicada na Folha de São Paulo, de 19 de setembro, cerca de 55 instituições de ensino superior poderão ter cursos cortados do Programa Universidade para Todos, ProUni. Na região, o Centro Universitário de Santo André e a UniABC obtiveram conceito 2 no Índice Geral de Cursos e integram o grupo em risco.
Segundo a Folha, “o resultado é o primeiro  dos dois ciclos de avaliação a que as instituições são submetidas antes do fechamento de cursos, que ocorre caso tenham desempenho ruim em ambos”.
Sucateamento
O SINPRO ABC reforça a opinião de que esse cenário é fruto do sucateamento do ensino promovido pelas mantenedoras das universidades. Enquanto o lucro estiver à frente dos objetivos educacionais, tanto a qualidade de ensino quanto as condições de trabalho dos professores estarão comprometidos. O Sindicato dos Professores do ABC está em negociação constante para defender os docentes e acabar com essa situação, uma vez que demissões podem ocorrer com a supressão dos cursos.
MEC determina que Uniban e UniABC diminuam o número de vagas em cursos na área de Saúde

Duas universidades do ABC, Uniban e UniABC, tiveram o desempenho classificado pelo Ministério da Educação como abaixo do satisfatório. Por conta disso, a Universidade do Grande ABC, de Santo André, deverá reduzir o número de vagas nos cursos de enfermagem, farmácia, fisioterapia e nutrição, enquanto a Uniban, em São Bernardo, deve realizar o corte no curso de enfermagem.

A decisão foi publicada no Diário Oficial do dia 4 de setembro.

ProUni
De acordo com a matéria publicada na Folha de São Paulo, de 19 de setembro, cerca de 55 instituições de ensino superior poderão ter cursos cortados do Programa Universidade para Todos, ProUni. Na região, o Centro Universitário de Santo André e a UniABC obtiveram conceito 2 no Índice Geral de Cursos e integram o grupo em risco.

Segundo a Folha, “o resultado é o primeiro  dos dois ciclos de avaliação a que as instituições são submetidas antes do fechamento de cursos, que ocorre caso tenham desempenho ruim em ambos”.

Sucateamento
O SINPRO ABC reforça a opinião de que esse cenário é fruto do sucateamento do ensino promovido pelas mantenedoras das universidades. Enquanto o lucro estiver à frente dos objetivos educacionais, tanto a qualidade de ensino quanto as condições de trabalho dos professores estarão comprometidos. O Sindicato dos Professores do ABC está em negociação constante para defender os docentes e acabar com essa situação, uma vez que demissões podem ocorrer com a supressão dos cursos.

Metodista se mantém intransigente alegando incapacidade econômico-financeira para aplicar reajuste aos docentes em cabal contradição com a notícia de superávit publicada no DGABC

A Universidade Metodista bem que tentou, mas sem sucesso, lograr os professores da instituição e a diretoria do SINPRO ABC. Em foro conciliatório - realizado no dia 30 de março de 2009 entre representantes da Umesp, SINPRO ABC, Fepesp e Semesp – a Metodista “apresentou documentos e alegou incapacidade econômico-financeira para aplicar o reajuste, propondo a redução do reajuste para 4,4% à a categoria dos docentes”, de acordo com a ata do encontro.
De imediato, o SINPRO ABC, legítimo representante da categoria, mostrou-se irredutível na defesa do índice de 7,4% de aumento e na estabilidade de emprego dos profissionais da Umesp,  solicitando da Instituição novas propostas para atingir a massa salarial devida nos meses de março/2009 a fevereiro/2010. Como resposta, a Metodista informou: “Esclarecemos que, em função de todas as dificuldades econômico-financeiras, exaustivamente informadas na última reunião, infelizmente não há quaisquer condições de avançarmos nos termos propostos, especialmente no que diz respeito ao pagamento retroativo e a estabilidade funcional”.
Em nova proposta, dessa vez no final do mês de abril, a Metodista bateu na mesma tecla de incapacidade financeira e propôs:
4,4% de reajuste retroativo a março de 2009;
5,0% a partir de junho de 2009;
5,4% a partir de setembro de 2009;
6,0% a partir de dezembro de 2009;
7,4% a partir de fevereiro de 2010.
(Todos os reajustes aplicados sobre o salário de fevereiro de 2009)
Incapacidade financeira = SUPERÁVIT?
Após uma série de reuniões no intuito de solucionar o impasse e para a surpresa do SINPRO ABC e dos professores, o Diário do Grande ABC, no dia 4 de maio de 2009, na coluna Primeiro Plano (Economia), divulgou nota afirmando que a Metodista fechou o ano de 2008 com superávit de R$ 10,04 milhões.
Diante dessa informação de superávit da Umesp caiu por terra  o argumento de incapacidade para a aplicação de reajuste de 7,4%. Além do mais, usaram de forma inidônea os meios sindicais (SINPRO ABC, Fepesp e Semesp) para solução de conflitos coletivos, caracterizando má-fé.
Em resposta, o SINPRO ABC  enviou documento à Pró-Reitoria da Universidade Metodista:
“Considerando os resultados financeiros – Superávit – dessa conceituada instituição de ensino, publicados no Diário do Grande ABC, no dia 4 de maio de 2009, as negociações visando o parcelamento do reajuste salarial, devido aos docentes desde março de 2009, “perderam” sua motivação (a alegação de dificuldades financeiras), consequentemente damos por encerradas as tratativas.
Ademais, os resultados financeiros divulgados apontam que a entidade tem, inclusive, condições de aplicar reajustes maiores que o já assinado, até mesmo como forma de reconhecimento do desempenho de seus colaboradores, que, com certeza, contribuíram para o superávit da Metodista.
Aproveitamos o ensejo para comunicar que a MM. Juíza da 9a Vara do Trabalho de Brasília revogou a tutela antecipada que ‘validava’ o registro sindical do sinpes.”
Por fim, o SINPRO ABC se recusa a manter tratativas com a Universidade Metodista e, caso a instituição insista no descumprimento da Convenção Coletiva, entrará com todas as medidas jurídicas cabíveis.
A Universidade Metodista bem que tentou, mas sem sucesso, lograr os professores da instituição e a diretoria do SINPRO ABC. Em foro conciliatório - realizado no dia 30 de março de 2009 entre representantes da Umesp, SINPRO ABC, Fepesp e Semesp – a Metodista “apresentou documentos e alegou incapacidade econômico-financeira para aplicar o reajuste, propondo a redução do reajuste para 4,4% à a categoria dos docentes”, de acordo com a ata do encontro.

De imediato, o SINPRO ABC, legítimo representante da categoria, mostrou-se irredutível na defesa do índice de 7,4% de aumento e na estabilidade de emprego dos profissionais da Umesp,  solicitando da Instituição novas propostas para atingir a massa salarial devida nos meses de março/2009 a fevereiro/2010. Como resposta, a Metodista informou: “Esclarecemos que, em função de todas as dificuldades econômico-financeiras, exaustivamente informadas na última reunião, infelizmente não há quaisquer condições de avançarmos nos termos propostos, especialmente no que diz respeito ao pagamento retroativo e a estabilidade funcional”.

Em nova proposta, dessa vez no final do mês de abril, a Metodista bateu na mesma tecla de incapacidade financeira e propôs:
4,4% de reajuste retroativo a março de 2009;
5,0% a partir de junho de 2009;
5,4% a partir de setembro de 2009;
6,0% a partir de dezembro de 2009;
7,4% a partir de fevereiro de 2010.
(Todos os reajustes aplicados sobre o salário de fevereiro de 2009)

Incapacidade financeira = SUPERÁVIT?
Após uma série de reuniões no intuito de solucionar o impasse e para a surpresa do SINPRO ABC e dos professores, o Diário do Grande ABC, no dia 4 de maio de 2009, na coluna Primeiro Plano (Economia), divulgou nota afirmando que a Metodista fechou o ano de 2008 com superávit de R$ 10,04 milhões.

Diante dessa informação de superávit da Umesp caiu por terra  o argumento de incapacidade para a aplicação de reajuste de 7,4%. Além do mais, usaram de forma inidônea os meios sindicais (SINPRO ABC, Fepesp e Semesp) para solução de conflitos coletivos, caracterizando má-fé.

Em resposta, o SINPRO ABC  enviou documento à Pró-Reitoria da Universidade Metodista:
“Considerando os resultados financeiros – Superávit – dessa conceituada instituição de ensino, publicados no Diário do Grande ABC, no dia 4 de maio de 2009, as negociações visando o parcelamento do reajuste salarial, devido aos docentes desde março de 2009, “perderam” sua motivação (a alegação de dificuldades financeiras), consequentemente damos por encerradas as tratativas.
Ademais, os resultados financeiros divulgados apontam que a entidade tem, inclusive, condições de aplicar reajustes maiores que o já assinado, até mesmo como forma de reconhecimento do desempenho de seus colaboradores, que, com certeza, contribuíram para o superávit da Metodista.
Aproveitamos o ensejo para comunicar que a MM. Juíza da 9a Vara do Trabalho de Brasília revogou a tutela antecipada que ‘validava’ o registro sindical do sinpes.”

Por fim, o SINPRO ABC se recusa a manter tratativas com a Universidade Metodista e, caso a instituição insista no descumprimento da Convenção Coletiva, entrará com todas as medidas jurídicas cabíveis.

Docentes da Metodista têm direitos assegurados pelo SINPRO ABC
Vitória dos professores da Metodista! O SINPRO ABC pressionou a instituição pelo cumprimento do reajuste de 7,4%, a partir de março de 2009, e, no final do mês de maio, a diretoria da Umesp enviou comunicado aos docentes informando: "Lamentamos profundamente que não tenha sido possível avançar nas negociações com os sindicatos representativos das categorias profissionais no tocante ao índice de reajuste estabelecido na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). Assim, diante do término das conversações, informamos que o IMS cumprirá os índices previstos na referida CCT em vigor. (...) Mais uma vez lamentamos profundamente que esse tenha sido o desfecho do processo".
Diante dessa mensagem, resta-nos, sim, lamentar a posição da Metodista em classificar o cumprimento dos direitos trabalhistas como “falta de avanço” e comunicar insatisfação com o desfecho das negociações.
O SINPRO ABC jamais cederá às pressões e falsos argumentos das escolas e/ou mantenedoras para burlar a Convenção Coletiva, principalmente quando a instituição cai nas próprias contradições (incapacidade financeira x superávit).
Professor, fique atento ao holerite e caso não tenha recebido o reajuste devido, entre em contato com o Sindicato (4994-0700).
Vale ressaltar que vitórias como essa são possíveis graças ao trabalho intenso do SINPRO ABC, apoiado pela categoria. Fortaleça essa luta!
Docentes da Metodista têm direitos assegurados pelo SINPRO ABC

Vitória dos professores da Metodista! O SINPRO ABC pressionou a instituição pelo cumprimento do reajuste de 7,4%, a partir de março de 2009, e, no final do mês de maio, a diretoria da Umesp enviou comunicado aos docentes informando: "Lamentamos profundamente que não tenha sido possível avançar nas negociações com os sindicatos representativos das categorias profissionais no tocante ao índice de reajuste estabelecido na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). Assim, diante do término das conversações, informamos que o IMS cumprirá os índices previstos na referida CCT em vigor. (...) Mais uma vez lamentamos profundamente que esse tenha sido o desfecho do processo".

Diante dessa mensagem, resta-nos, sim, lamentar a posição da Metodista em classificar o cumprimento dos direitos trabalhistas como “falta de avanço” e comunicar insatisfação com o desfecho das negociações.

O SINPRO ABC jamais cederá às pressões e falsos argumentos das escolas e/ou mantenedoras para burlar a Convenção Coletiva, principalmente quando a instituição cai nas próprias contradições (incapacidade financeira x superávit).

Professor, fique atento ao holerite e caso não tenha recebido o reajuste devido, entre em contato com o Sindicato (4994-0700).

Vale ressaltar que vitórias como essa são possíveis graças ao trabalho intenso do SINPRO ABC, apoiado pela categoria. Fortaleça essa luta!

Soma dos valores dos processos ultrapassa R$ 1,4 mi
A UniABC e a USCS (antigo Imes) desrespeitaram os direitos trabalhistas de dois professores e foram condenadas a pagar por isso. Na última semana de março, os docentes receberam os valores devidos, conquistados graças aos processos ingressados pelo SINPRO ABC.
USCS - A USCS foi condenada a pagar R$ 804.571,62 a um único professor. O docente foi reintegrado e recebeu os salários vencidos e vincendos desde a injusta demissão até a reintegração, bem como horas-extras decorrentes da mudança na duração da hora-aula de 40 para 50 minutos.
UniABC - A UniABC teve de pagar R$ 683.380,28 por ter desrespeitado o contrato de trabalho do professor, já que reduziu aleatoriamente a carga horária e flexibilizou o salário contratado para o exercício do “cargo comissionado”. Além disso, não pagou os reflexos no DSR e na hora-atividade, nem adicional noturno, garantia semestral de salários e não observou a data para a homologação do contrato de trabalho.
Seus direitos
Professor, em caso de desrespeito aos seus direitos, entre em contato com o SINPRO ABC. Ligue 4994-0700 para esclarecer dúvidas com nossos diretores ou agendar um horário com nossos advogados.
Soma dos valores dos processos ultrapassa R$ 1,4 mi

A UniABC e a USCS (antigo Imes) desrespeitaram os direitos trabalhistas de dois professores e foram condenadas a pagar por isso. Na última semana de março, os docentes receberam os valores devidos, conquistados graças aos processos ingressados pelo SINPRO ABC.

USCS - A USCS foi condenada a pagar R$ 804.571,62 a um único professor. O docente foi reintegrado e recebeu os salários vencidos e vincendos desde a injusta demissão até a reintegração, bem como horas-extras decorrentes da mudança na duração da hora-aula de 40 para 50 minutos.

UniABC - A UniABC teve de pagar R$ 683.380,28 por ter desrespeitado o contrato de trabalho do professor, já que reduziu aleatoriamente a carga horária e flexibilizou o salário contratado para o exercício do “cargo comissionado”. Além disso, não pagou os reflexos no DSR e na hora-atividade, nem adicional noturno, garantia semestral de salários e não observou a data para a homologação do contrato de trabalho.

Seus direitos
Professor, em caso de desrespeito aos seus direitos, entre em contato com o SINPRO ABC. Ligue 4994-0700 para esclarecer dúvidas com nossos diretores ou agendar um horário com nossos advogados.

Mais Lidas