Próxima negociação colocará questões
econômicas em discussão
Próxima negociação colocará questões econômicas em discussão

Em duas rodadas de negociações da Educação Básica, a primeira realizada em 14/02 e a segunda em 28/02, questões sociais foram debatidas exaustivamente entre os representantes dos docentes (Sindicatos e Federação) e a patronal. Os professores José Jorge Maggio e Aloísio Alves da Silva compareceram em nome do SINPRO ABC.

Foram sugeridas a inclusão de nove cláusulas e a mudança na redação de outras 24. Para a maioria das reivindicações da categoria a resposta dada foi NÃO. Isso significa que é preciso intensificar a luta e, para tanto, sua participação em assembleias é fundamental, professor.

Outra rodada será realizada no dia 7 de março, quando serão pautadas, também, questões econômicas como reajuste salarial, participação nos lucros e resultados e hora tecnológica.

Cláusulas sociais
Foram colocados em debate temas como compensação de feriados, licença maternidade a homoafetivos do sexo masculino ou pais solteiros, assédio moral, abono de faltas para acompanhamento médico de idosos, entre outros. As questões serão discutidas nas próximas reuniões com o Sieeesp.

Os professores da Educação Básica terão os salários reajustados em 7,43%, a contar do mês de março.
O índice corresponde à reposição integral da inflação mais aumento de 1,2%, conforme aprovado no ano passado e estabelecido na Convenção Coletiva da Categoria.
A inflação foi calculada pela média aritmética do acumulado de março/2010 a fevereiro/2011 de três indicadores: INPC-IBGE, IPC-FIPE e ICV-DIEESE.
Participação nos lucros
Professores, técnicos e administrativos da educação básica também receberão, até outubro, 21% a título de Participação nos Lucros ou Resultados. Quem não pagar a PLR deve reajustar os salários, a partir de março de 2011, em 9,18% (e não 7,43%).
Com informações da Fepesp
Os professores da Educação Básica terão os salários reajustados em 7,43%, a contar do mês de março. O índice corresponde à reposição integral da inflação mais aumento de 1,2%, conforme aprovado no ano passado e estabelecido na Convenção Coletiva da Categoria.

A inflação foi calculada pela média aritmética do acumulado de março/2010 a fevereiro/2011 de três indicadores: INPC-IBGE, IPC-FIPE e ICV-DIEESE.

Participação nos lucros
Professores, técnicos e administrativos da educação básica também receberão, até outubro, 21% a título de Participação nos Lucros ou Resultados. Quem não pagar a PLR deve reajustar os salários, a partir de março de 2011, em 9,18% (e não 7,43%).

Com informações da Fepesp

Docentes de todos os segmentos participaram de assembleias, no dia 4 de fevereiro, para discussão de itens da pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2012
O SINPRO ABC reuniu a categoria, na manhã do dia 4 de fevereiro, para debater a pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2012 na Educação Básica. As deliberações foram encaminhadas à Federação Estadual dos Professores, Fepesp, que produzirá uma pauta unificada com base nos resultados das assembleias dos demais Sindicatos do Estado de São Paulo.
A primeira rodada de negociações com o sindicato patronal, Sieeesp, será realizada no dia 14 de fevereiro. Acompanhe em nossas publicações as novidades e convocatórias para futuras assembleias.
Reivindicações
Os professores aprovaram que o percentual solicitado ao Sieeesp (patronal) seja a média dos índices IBGE-INPC, Fipe-IPC e Dieese-ICV (calculada entre 1º de março de 2011 e 29 de fevereiro de 2012) mais aumento real.
O ABC aprovou a proposta de implantação da política de realinhamento do piso, além do reajuste nos percentuais da PLR e hora-atividade. Mudanças na redação de algumas cláusulas da Convenção Coletiva e inclusão de novos itens também foram aprovados.
Acompanhe as novidades da campanha em nosso site.
Docentes de todos os segmentos participaram de assembleias, no dia 4 de fevereiro, para discussão de itens da pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2012

O SINPRO ABC reuniu a categoria, na manhã do dia 4 de fevereiro, para debater a pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2012 na Educação Básica. As deliberações foram encaminhadas à Federação Estadual dos Professores, Fepesp, que produzirá uma pauta unificada com base nos resultados das assembleias dos demais Sindicatos do Estado de São Paulo.

A primeira rodada de negociações com o sindicato patronal, Sieeesp, será realizada no dia 14 de fevereiro. Acompanhe em nossas publicações as novidades e convocatórias para futuras assembleias.

Reivindicações
Os professores aprovaram que o percentual solicitado ao Sieeesp (patronal) seja a média dos índices IBGE-INPC, Fipe-IPC e Dieese-ICV (calculada entre 1º de março de 2011 e 29 de fevereiro de 2012) mais aumento real.

O ABC aprovou a proposta de implantação da política de realinhamento do piso, além do reajuste nos percentuais da PLR e hora-atividade. Mudanças na redação de algumas cláusulas da Convenção Coletiva e inclusão de novos itens também foram aprovados.

Conforme determina a CCT da Educação Básica, “em 1º de março de 2011, as escolas deverão aplicar sobre os salários devidos em 1º de março de 2010 o percentual definido pela média aritmética dos índices inflacionários do período compreendido entre 1º de março de 2010 e 28 de fevereiro de 2011, apurados pelo IBGE (INPC), FIPE (IPC) e DIEESE (ICV), acrescido de 1,2% (um vírgula dois por cento), a título de aumento real”.
Até o fechamento desta edição, em decorrência da data, a média dos índices não havia sido divulgada.
As demais cláusulas têm validade até 2012, por conta da duração de dois anos da mais recente Convenção da categoria.
Caso a escola não aplique o reajuste, o docente deverá entrar em contato com o Sindicato, para que as providências sejam tomadas. Ligue 4994-0700 ou escreva para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..
Acompanhe mais informações no próximo boletim O Professor.
Conforme determina a CCT da Educação Básica, “em 1º de março de 2011, as escolas deverão aplicar sobre os salários devidos em 1º de março de 2010 o percentual definido pela média aritmética dos índices inflacionários do período compreendido entre 1º de março de 2010 e 28 de fevereiro de 2011, apurados pelo IBGE (INPC), FIPE (IPC) e DIEESE (ICV), acrescido de 1,2% (um vírgula dois por cento), a título de aumento real”.

Até o fechamento desta edição, em decorrência da data, a média dos índices não havia sido divulgada.
As demais cláusulas têm validade até 2012, por conta da duração de dois anos da mais recente Convenção da categoria.

Caso a escola não aplique o reajuste, o docente deverá entrar em contato com o Sindicato, para que as providências sejam tomadas. Ligue 4994-0700 ou escreva para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..
Acompanhe mais informações no próximo boletim O Professor.

Os professores da Educação Básica devem ficar atentos ao pagamento da Participação nos Lucros e Resultados, uma vez que a data limite para o crédito foi 15 de outubro. Conforme estabelece a Convenção Coletiva da categoria, o valor corresponde a 21% da remuneração total do mês de outubro.
Todos os professores e trabalhadores não docentes das escolas de Educação Básica, entre eles os licenciados (maternidade, licença remunerada ou médica, nesse caso há menos de seis meses), têm direito ao benefício. As escolas que não concederam o percentual em outubro devem incoporar 1,75% aos salários retroativamente a março de 2011.
Em caso de desrespeito a essas determinações, procure o Sindicato dos Professores do ABC. Ligue 4994-0700 ou escreva para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..
Os professores da Educação Básica devem ficar atentos ao pagamento da Participação nos Lucros e Resultados, uma vez que a data limite para o crédito é 15 de outubro. Conforme estabelece a Convenção Coletiva da categoria, o valor corresponde a 21% da remuneração total do mês de outubro.

Todos os professores e trabalhadores não docentes das escolas de Educação Básica, entre eles os licenciados (maternidade, licença remunerada ou médica, nesse caso há menos de seis meses), têm direito ao benefício. As escolas que não concederam o percentual em outubro devem incoporar 1,75% aos salários retroativamente a março de 2011.

Em caso de desrespeito a essas determinações, procure o Sindicato dos Professores do ABC. Ligue 4994-0700 ou escreva para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Professor, verifique se o crédito foi efetuado corretamente. Em caso de descumprimento, comunique ao SINPRO ABC
Os professores da Educação Básica, conforme determina a Convenção Coletiva da categoria, deverão receber o pagamento de participação nos lucros ou resultados até o dia 15 de outubro. O valor deve corresponder a 21% do salário mensal bruto do docente.
Para obter mais informações, consulte o Acordo Coletivo, disponível no site www.sinpro-abc.org.br ou ligue para o SINPRO (4994-0700).
Quem tem direito?
Todos os professores que estiverem contratados pela escola no mês em que ocorrer o pagamento do referido benefício, ainda que em gozo de licença remunerada, gestante ou licença médica, esta última em prazo inferior a seis meses, terão direito a PLR. Os profissionais em licença não remunerada estão excluídos.
O SINPRO ABC esclarece: as escolas que optaram pela não concessão da PLR deveriam ter aplicado o reajuste salarial de 7,25% sobre os salários devidos em 1º de março de 2009 (não somente 5,5%).
Como calcular?
Os 21% a serem creditados a título de PLR devem ser calculados com base no salário mensal bruto do mês de referência em que o pagamento ocorrer. É considerado salário mensal bruto toda a remuneração habitualmente recebida pelo professor, como, por exemplo, salário–base, hora–atividade, descanso semanal remunerado e eventuais adicionais e vantagens pessoais incorporados à  remuneração mensal.
Fique atento
Professor, fique de olho e denuncie caso a instituição não respeite esse direito. Ligue para o SINPRO ABC (4994-0700) ou escreva para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. e relate o descumprimento.
Professor, verifique se o crédito foi efetuado corretamente. Em caso de descumprimento, comunique ao SINPRO ABC

Os professores da Educação Básica, conforme determina a Convenção Coletiva da categoria, deverão receber o pagamento de participação nos lucros ou resultados até o dia 15 de outubro. O valor deve corresponder a 21% do salário mensal bruto do docente.

Para obter mais informações, consulte o Acordo Coletivo, disponível no site www.sinpro-abc.org.br ou ligue para o SINPRO (4994-0700).

Quem tem direito?
Todos os professores que estiverem contratados pela escola no mês em que ocorrer o pagamento do referido benefício, ainda que em gozo de licença remunerada, gestante ou licença médica, esta última em prazo inferior a seis meses, terão direito a PLR. Os profissionais em licença não remunerada estão excluídos.

O SINPRO ABC esclarece: as escolas que optaram pela não concessão da PLR deveriam ter aplicado o reajuste salarial de 7,25% sobre os salários devidos em 1º de março de 2009 (não somente 5,5%).

Como calcular?
Os 21% a serem creditados a título de PLR devem ser calculados com base no salário mensal bruto do mês de referência em que o pagamento ocorrer. É considerado salário mensal bruto toda a remuneração habitualmente recebida pelo professor, como, por exemplo, salário–base, hora–atividade, descanso semanal remunerado e eventuais adicionais e vantagens pessoais incorporados à  remuneração mensal.

Fique atento
Professor, fique de olho e denuncie caso a instituição não respeite esse direito. Ligue para o SINPRO ABC (4994-0700) ou escreva para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. e relate o descumprimento.

Mais Lidas